Fichamento O que é Comunismo Arnaldo Spindel.docx

November 7, 2018 | Author: Demetrios Dias de Oliveira | Category: Communism, Soviet Union, International Politics, Communist International, State (Polity)
Share Embed Donate


Short Description

Download Fichamento O que é Comunismo Arnaldo Spindel.docx...

Description

Nome: Flávio Henrique de Oliveira Professora: Ms. Liamar I. Tuon

Disciplina: Metodologia da História

Fichamento: O que é Comunismo. Spindel, Arnaldo. Editora Brasilense. Coleção Primeiro Passos.

“Desde suas obras de juventude, Karl Marx já demonstrava uma preocupação com a

impossibilidade de o homem realizar-se integralmente na sociedade de então. Observando a seu redor, Marx percebia que a exploração à qual era submetida a maioria dos cidadãos não lhe permitia conseguir um desenvolvimento completo de suas personalidades. Além disto, o trabalho, da maneira como era estabelecido, não representava prazer para aquele que produzia; muito pelo contrário o trabalho era um jugo ao qual ele deveria se submeter para garantir sua subsistência.[...]” ( p 07) “Marx acreditava que aquela situação teria de chegar ao fim. Uma nova sociedade

deveria surgir um dia, na qual todos os homens tivessem possibilidade de desenvolver plenamente todas as suas potencialidades, fossem elas no campo da arte, da ciência, do  Amor etc. Esta nova sociedade onde viveria um Homem Novo, um Homem Total, seria a sociedade comunista. Comunismo, para ele, era o estágio da sociedade humana onde não mais existiriam exploradores e explorados, onde a exploração do homem pelo homem tivesse chegado a seu fim. O homem, a sociedade e a natureza formariam um todo harmônico; o sonho do Homem Integral estaria realizado.” ( p 07) “Trabalhando com os conceitos de materialismo dialético e materialismo histórico,

Marx e Engels provam, como vimos naquela oportunidade, que o processo histórico obedece a um movimento dialético assentado sobre bases materiais. Com a introdução desta sua concepção materialista dialética da História, eles descartam definitivamente as explicações que insistiam em mostrar alguma força superior, imaterial, como causa dos fatos históricos.[...]” ( p 08) “[...]O modo de produção feudal (modo de produção onde as relações eram

predominantemente feudais) fora gerando o desenvolvimento de sua própria contradição, expressa no desenvolvimento da burguesia. A medida que esta classe ia conquistando o poder econômico mais necessária ia-se tornando a tomada do poder político, para permitir o florescimento do modo de produção capitalista. A burguesia necessitava construir uma sociedade a sua imagem e semelhança, e as lutas revolucionárias contra a aristocracia pelo domínio do terreno político-ideológico visavam este objetivo. A Revolução Francesa seria um claro exemplo deste último e decisivo estágio da luta entre estas duas classes.” ( p 08) “[...]Uma classe operária cada vez mais numerosa e

miserável, indispensável para o desenvolvimento do capitalismo, começava a desenvolver de forma incipiente suas primeiras lutas contra a burguesia, pretendendo tornar-se classe dominante e instalar o modo de produção socialista.” ( p 08,09)  Alguns de seus mais importantes conceitos vão ser desenvolvidos neste livro; entre “ Alguns eles podemos citar o conceito de valor, aprofundamento do mesmo conceito expresso por David Ricardo. A compreensão deste conceito é indispensável para a compreensão da reprodução do capital e, portanto, do funcionamento do modo de produção capitalista.” ( p 09) “Com o desenvolvimento da Humanidade, evidentemente ninguém mais troca sapatos

por camisas, trigo por carne etc. O dinheiro é hoje o meio existente para a troca destas mercadorias. Ainda que o preço não represente exatamente o valor de troca de uma mercadoria, pois que na questão dinheiro entram vários outros fatores que não nos cabe aqui analisar, ele se encontra baseado neste valor.” ( p 09) “Esta diferença existente entre o salário pago e o valor que o operário efetivamente

acumula à mercadoria constitui aquilo que Marx denominou de mais-valia. A mais-valia, que é a base do regime capitalista, só se tornou possível em condições históricas

determinadas, nas quais uma grande parcela da população só possuía como produto vendável sua própria força de trabalho. Devido às dimensões deste livro não especificaremos estas condições históricas, mas convém ressaltar que elas coincidem com os primeiros passos do sistema capitalista, com o nascimento da burguesia.” ( p 10) “[...]Por um lado temos a mais-valia absoluta,

aquela mais-valia que é conseguida diretamente pela exploração do trabalhador. Se um operário trabalha oito horas por dia, produzindo 8 pares de sapatos e recebendo Cr$ 500,00 e seu patrão decide que ele passará a trabalhar dez horas (portanto a produzir dez pares de sapatos por dia), ganhando os mesmos Cr$ 500,00, o valor que ele acumula nestes dois pares de sapatos a mais constituem a mais-valia absoluta. Esta mais-valia absoluta, contudo, é limitada, pois a jornada de trabalho de um operário não pode ser aumentada indefinidamente: a resistência física do homem constitui um obstáculo natural e intransponível para tal tipo de coisa.” ( p 10) “Sendo a mais-valia a fonte do lucro, o capitalista tem de encontrar uma outra

maneira de aumentar a mais-valia. Esta maneira seria fazer com que o operário, trabalhando as mesmas oito horas e ganhando os mesmos Cr$ 500,00, produzisse dez pares em vez de oito. Para conseguir isto ele deveria fazer com que o tempo de trabalho empregado para a fabricação de cada par de sapatos diminuísse, o que geralmente pode ser obtido pela introdução de ferramenaos e máquinas mais modernas. A mais-valia relativa é, então, aquela conseguida pela diminuição do tempo de trabalho necessário. ” ( p 10,11) “[...]Numa indústria encontramos sempre dois tipos

de capital: o capital constante ou fixo, isto é, aquele que está parado, investido em máquinas, prédios etc, e o capital variável, ou seja, aquele que deve ser desembolsado periodicamente, como por exemplo o capital necessário para o pagamento dos salários. A soma destes é o capital total. ” ( p 11) “O que Marx nos diz é que “a taxa de mais -valia medida pelo capital variável chamase taxa de mais-valia; a taxa de mais-valia medida pelo capital total denomina-se lucro”.

Imaginemos um caso ideal. Em um ano o nosso fabricante comprou cem mil cruzeiros de couro que, trabalhados pelos seus operários, transformaram-se em sapatos no valor de trezentos mil cruzeiros. Os salários pagos aos trabalhadores totalizaram cem mil cruzeiros; supondo que ele não tenha tido nenhuma outra despesa neste ano, vemos que o capital desembolsado, o capital variável gasto foi de duzentos mil cruzeiros. Como é fácil perceber, o industrial, gastando duzentos mil e recebendo trezentos mil pela venda dos produtos, realizou um lucro de cem mil cruzeiros provenientes da mais-valia arrancada aos operários. Poderíamos concluir de maneira errada que o lucro do ano dividido pelo capital gasto no mesmo espaço de tempo (100.000/200.000 = 0,5 ou 50%) constituiria a taxa de lucro deste ano. Esta conclusão é errada, esta taxa é chamada de taxa de mais-valia.” ( p 11) “Como já sabemos, para aumentar seu lucro o capitalista tem de aumentar a mais-valia

que tira do trabalho de seus operários; uma vez que a mais-valia absoluta possui limites de crescimento intransponíveis, ele se vê obrigado a aumentar a mais-valia relativa. Isto significa que ele deve encontrar um meio de fazer com que os operários trabalhem mais depressa, produzindo mais sapatos por jornada de trabalho, o que pode ser conseguido, por exemplo, pela compra de novas máquinas.” ( p 12) “ Ao elaborar este raciocínio, Marx queria provar que a necessidade do sistema

capitalista de aumentar sempre o lucro através do aumento da exploração da mais-valia implicava uma tendência constante à queda da taxa de lucros. Este fato seria uma das causas principais das crises que ciclicamente iriam abalar o sistema capitalista, enfraquecendo-o e abrindo caminho para sua eliminação e substituição pelo modo de produção socialista.” ( p 12) “ A teoria marxista mostra que a tarefa do proletariado não

é aguardar o inevitável fim do capitalismo, para que então o

poder caia em suas mãos. Ao proletariado caberia organizar-se para tentar acelerar esta queda do sistema capitalista e para, uma vez tomado o poder, conseguir impedir sua retomada pelas forças reacionárias. ” ( p 13) “Dois são os pontos principais da teoria marxista no campo da política: o partido político do proletariado — que é o organismo que lhe permite atuar no sentido da eliminação do sistema capitalista — e o Estado da classe operária — instrumento

necessário para a passagem à sociedade comunista. Estes pontos foram retomados e desenvolvidos por V. I. Lenin, o dirigente da Revolução Russa de 1917. As táticas leninistas desenvolvidas a partir das idéias de Marx e Engels foram, em grande parte, responsáveis pela vitória da classe operária na Revolução Russa. Hoje em dia estas idéias fazem parte daquele corpo teórico conhecido por marxismo-leninismo, que é a teoria que está na base de todos os regimes comunistas de nossos dias.” ( p 13) “O Estado, na concepção marxista, não passa de um instrumento de dominação de

uma classe social sobre outra. O Estado nasce devido à existência de antagonismos inconciliáveis entre as classes sociais; ele responde à necessidade da classe mais forte de dominar a mais fraca. A classe mais forte está sempre interessada em refrear o conflito, pois caso isto não seja feito, e mesmo sendo ela a classe dominante, esta luta acabaria entrando num crescendo de violência que poderia colocar em risco ambas as classes e, eventualmente, destruir o organismo social como um todo.[...]” ( p 13,14) “[...]O Estado é o instrumento que cumpre esta função. A classe economicamente mais poderosa utiliza o Estado para impor uma “ordem” social, preservar uma situação que lhe é

favorável e, principalmente, para transformar-se na classe politicamente dominante, obtendo assim novos meios de oprimir e explorar a classe mais fraca. ” ( p 14) “[...] A teoria marxista-leninista diz-nos, todavia, que o comunismo só será atingido após a

tomada de poder pela classe proletária, após a extinção do modo de produção capitalista e após o advento do modo de produção socialista.” ( p 14) “[...]Seria utópico imaginar que o comunismo poderia surgir já perfeitamente

formado, de maneira rápida e espontânea, das cinzas da sociedade burguesa; é necessário que a classe proletária, ao assumir o poder, proceda a uma série de regulagens no mecanismo social, de maneira a permitir a passagem ao comunismo. Por este motivo, segundo Marx e Lenin, a tarefa revolucionária do proletariado não é e nem poderia ser, numa primeira etapa, abolir o Estado (como pretendem os anarquistas), mas sim abolir o Estado burguês e instaurar o Estado proletário.” ( p 15) “Este Estado proletário, na medida em que representa o instrumento de dominação da

classe operária que é a classe majoritária, possuiria um caráter mais democrático do que o seu antecessor — o Estado burguês. A esta democracia do operariado, Marx deu o nome de “ditadura do proletariado”.” ( p 15) “Para a teoria marxista-leninista, a ditadura do proletariado representa apenas o

exercício do poder da classe operária quando na qualidade de classe dirigente, para a eliminação total dos resquícios da antiga ordem burguesa e preparação da sociedade para o advento do comunismo. Trata-se aqui do resultado da atuação do proletariado para “aniquilar a máquina burguesa do Estado (...) e de substituir tudo isto por uma m áquina mais democrática, mas que nem por isto é menos máquina de Estado (...)”. A sociedade socialista não é uma sociedade livre (na medida em que, como nos diz Lenin, “enquanto existir Estado não haverá liberdade (e) quando reinar liberdade não haverá mai s Estado”),

mas sim o terreno onde o Estado irá definhando até chegar a sua morte. Neste ponto a Humanidade estará frente à fase superior do comunismo. ” ( p 15) “Para a teoria marxista-leninista, a ditadura do proletariado representa apenas o

exercício do poder da classe operária quando na qualidade de classe dirigente, para a eliminação total dos resquícios da antiga ordem burguesa e preparação da sociedade para o advento do comunismo. Trata-se aqui do resultado da atuação do proletariado para “aniquilar a máquina burguesa do Estado (...) e de substituir tudo isto por uma máquina

mais democrática, mas que nem por isto é menos máquina de Estado (...)”. A sociedade socialista não é uma sociedade livre (na medida em que, como nos diz Lenin, “enquanto existir Estado não haverá liberdade (e) quando reinar liberdade não haverá mais Estado”),

mas sim o terreno onde o Estado irá definhando até chegar a sua morte. Neste ponto a Humanidade estará frente à fase superior do comunismo. ” ( p 16) “[...]O partido que surge da doutrina marxista-leninista é uma

instituição que, apesar de lutar pelos interesses imediatos da classe operária, não perde nunca de vista que seu objetivo é a derrota do sistema capitalista e a implantação da ditadura do proletariado. Em função disto, ele é concebido como um corpo perfeitamente organizado e disciplinado. Organização e disciplina seriam dois pilares básicos do partido revolucionário do proletariado; o centralismo democrático seria um terceiro. ” ( p 16) “ A necessidade de uma organização centralizada para uma melhor condução do

proletariado em sua luta contra a burguesia poderia implicar (e implica, por vezes) um despotismo de uma minoria dirigente sobre as massas. Para evitar tal tipo de problema existe o mecanismo do centralismo democrático; seu princípio é o mais simples possível: partir das massas para chegar às massas. Por isto deve-se entender que o partido deve captar os anseios das massas trabalhadoras, elaborar uma síntese e a partir daí construir sua linha de atuação. O processo deveria ser constante; o resultado da aplicação desta linha seria colhido novamente junto à massa, nova síntese seria elaborada e novas linhas determinadas e assim por diante. Esta seria a única maneira de conseguir sempre o apoio total das massas ao trabalho do partido.” ( p 16) “ A construção de um partido da classe operária é fruto de um longo processo e

constitui a única maneira de os operários atuarem proficuamente, de maneira organizada e disciplinada, seja nos momentos de avanço lento dentro dos limites de uma democracia burguesa, seja nos momentos de crise revolucionária.[...]” ( p 16) “ A compreensão da atuação da Internacional Comunista (o Comintern), desde a sua

fundação em 1919 até sua extinção em 1943, é um ponto-chave para que possamos compreender o movimento comunista em nossos dias. Existindo durante pouco menos de um quarto de século, o Comintern — em seus erros, acertos, dissidências, expurgos, modificações de linha etc. — vai marcar profundamente, tanto quantitativa quanto qualitativamente falando, aquilo que hoje entendemos, de maneira geral, por comunismo. ” ( p 17) “[...] A fundação da Internacional Comunista corresponderia então à necessidade dos

comunistas revolucionários (a ala esquerda da II Internacional de antes da guerra) de agrupar num único organismo os seus aliados, que constituíam núcleos dentro dos diversos partidos socialistas ou sociais-democratas, de maneira a opor resistência ao reformismo socialdemocrata e a erigir o modelo soviético de revolução do proletariado e de partido comunista como padrão para a classe operária de todo o mundo.” ( p 17,18) “Partindo desta constatação — de que a Revolução eclodiria em alguns outros países dentro de pouquíssimo tempo — a Internacional Comunista vai procurar articular-se de

maneira completamente distinta de suas antecessoras. Não se tratava mais, neste caso, de criar uma federação de partidos operários para a discussão de problemas comuns, mas sim de criar um verdadeiro Estado--maior, cujo objetivo seria dirigir o proletariado mundial em suas batalhas revolucionárias pela conquista do poder.” ( p 18) “Os partidos sociais-democratas transformam-se em partidos burgueses

reformistas, interessados em cortar rapidamente o ímpeto revolucionário do proletariado. Foi na crença de que o operariado perderia certamente a confiança num partido deste gênero que o Comintern elabora uma linha de ação que, em pouco tempo, vai-se mostrar desastrosa.” ( p 19) “[...]O marco inicial da violência

que se abate sobre a classe operária alemã é o assassinato dos líderes comunistas Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht, em 1919. Neste mesmo ano, os sociais-democratas

contribuem para a derrota de tentativas insurrecionais operárias na Baviera e na Hungria, acontecimentos que iriam gerar um recrudescimento na repressão sobre os movimentos comunistas destas regiões.” ( p 19) “O tipo de estrutura da Internacional Comunista (que se manterá inalterada durante

toda a sua existência) pode ser identificado também como causa dos freqüentes insucessos da organização. Na fase que antecedeu à criação do Comintern, Rosa Luxemburgo já se havia dado conta deste problema, alertando a todos sobre o perigo de que o partido russo, na qualidade de único partido comunista no poder, poderia vir a ter um peso excessivo na direção do organismo e, eventualmente, condicionar-lhe os objetivos aos seus próprios. Os temores da líder alemã não eram infundados; a estrutura dada à Internacional Comunista permitiu que suas previsões se confirmassem na prática.” ( p 19) “Deixemos claro que a sobrevivência do regime soviético não deixava de ser uma

preocupação importante para os comunistas de todo o mundo, mas nem por isso estes concordavam em vê-lo transformado no fim último do Comintern. A Internacional Comunista deveria ser um organismo ágil, decidindo com rapidez, em cima dos fatos, os caminhos a serem tomados pelo movimento comunista mundial, mas o predomínio soviético acabou por introduzir um viés pouco realista em suas análises das conjunturas do movimento operário dos outros países e por construir uma organização à imagem e semelhança do partido russo.” ( p 20) “[...] A União Soviética começa a perceber que não mais poderia aguardar

que a vitória de uma outra revolução comunista na Europa viesse ajudá-la a salvar sua economia, que se encontrava em situação catastrófica. Passa então o governo soviético a trabalhar decididamente para a reconstrução econômica do país, elaborando o NEP (a Nova Política Econômica), em 1921. O NEP, enquanto forma pioneira de planejamento estatal, é considerado de suma importância, vindo a influenciar o planejamento econômico de todas as grandes nações; contudo, no caminho do comunismo, ele representava um passo atrás, um retrocesso tornado necessário pelas condições econômicas da União Soviética.” ( p 20) “ A União Soviética começa a perceber que não mais poderia aguardar

que a vitória de uma outra revolução comunista na Europa viesse ajudá-la a salvar sua economia, que se encontrava em situação catastrófica. Passa então o governo soviético a trabalhar decididamente para a reconstrução econômica do país, elaborando o NEP (a Nova Política Econômica), em 1921. O NEP, enquanto forma pioneira de planejamento estatal, é considerado de suma importância, vindo a influenciar o planejamento econômico de todas as grandes nações; contudo, no caminho do comunismo, ele representava um passo atrás, um retrocesso tornado necessário pelas condições econômicas da União Soviética.” ( p 20,21) “Na medida em que o NEP representava uma tentativa de solução da crise econômica

russa sem auxílio exterior, ele vai ser responsável pelo aparecimento de uma nova linha de política externa que, alguns anos mais tarde, viria a ser adotada como linha oficial. A chamada linha do “socialismo num só país”, defendida por Stalin, acreditava que a União

Soviética deveria concentrar seus esforços em seu próprio reerguimento econômico e não mais colaborar ativamente para a eclosão de revoluções comunistas nos países estrangeiros. Já em 1921, por exemplo, quando a situação interna alemã caminhava rapidamente para uma situação pré-revolucionária, Stalin alertava o governo russo para os perigos, para seu país, de uma revolução comunista na Alemanha. Segundo ele, a revolução alemã levaria imediatamente a uma guerra civil naquele vizinho país, o que não era interessante para a União Soviética pois ela estava, devido à debilidade de sua economia, impossibilitada de fornecer o necessário apoio aos comunistas alemães. ” ( p 21) “Desta época data a única reunião entre as três Internacionais surgidas logo após a

Primeira Guerra Mundial, numa tentativa de se estudar uma eventual ação comum. A conferência, apesar das agressões de parte a parte, não chega a ser um fracasso, pois os delegados russos presentes admitem fazer algumas concessões. Com isto abria-se a via para o aparecimento de um trabalho comum entre as principais forças de esquerda. Alguns

meses mais tarde, sem nenhuma explicação, a Internacional Comunista recusa-se a dar prosseguimento às conversações e opera radical alteração em sua linha política.” ( p 22) “É a partir deste momento que recrudesce a campanha soviética contra os partidos

sociais-democratas, sendo dado os primeiros passos em direção à posição comunista que, logo a seguir, passará a igualar social-democracia com social-fascismo e a considerar a social-democracia como um inimigo mais perigoso do que o próprio fascismo. ” ( p 22) “ A aplicação desta diretriz é, mais uma vez, particularmente clara na Alemanha.

Visava-se, neste caso, a eliminação do antigo núcleo espartaquista e das influências teóricas de Rosa Luxemburgo. Os teóricos alemães insistiam em analisar a realidade de seu país, implicando esta postura uma recusa à subordinação integral de seu partido às diretrizes soviéticas emanadas da Internacional Comunista. Os partidários alemães dos dirigentes soviéticos lançam-se então à luta pela exclusão de diversos membros do Comitê Central de seu partido (sobretudo os intelectuais) acusando-os de desvios “pequenoburgueses”. O sucesso deste expurgo nos quadros dirigentes do Partido Comunista  Alemão e a completa dominação que o Comintern passa a exercer sobre este vão-se constituir em fatores de peso para o advento da catástrofe que se abaterá sobre o movimento comunista neste país e no mundo, com a ascensão de Hitler ao poder em 1933. ” ( p 22) “[...]A vitória de Stalin em sua longa disputa com Trotsky confere-lhe o poder supremo da

Rússia Soviética; nesta disputa estiveram em jogo, além de proposições acerca da política interna russa (proposições que em seguida Stalin, apesar de vencedor, se verá obrigado a aplicar, devido à situação do país), toda uma concepção sobre o movimento comunista internacional.” ( p 23) “Derrotado Trotsky, Stalin vai descartar um dos dirigentes máximos do Comintern: Bukarin.

Bukarin representava um obstáculo às aspirações de Stalin na medida em que pregava um menor sectarismo das táticas soviéticas para os demais países e uma maior participação de elementos não russos na direção da Internacional. Com o desligamento de Bukarin, o Comintern passa a aplicar uma política ultra-sectária.” ( p 23) “Por esta época, últimos anos da década de 1920, elementos comunistas de diversos países

percebem o crescimento constante do perigo fascista e passam a preconizar a abertura de frentes amplas de democratas de todos os partidos, numa tentativa de barrar seu crescimento ”. ( p 23) “ A realidade obrigou o dirigente soviético a mudar de opinião, alguns anos mais

tarde. Em 1934, quando uma política de frente antifascista começa a ser cogitada pelos líderes da União Soviética, a crise do capitalismo e os erros anteriores do Comintern já haviam impulsionado enormemente o nazi-fascismo. Em 1935, no VII Congresso do Comintern, a política de Frente Antifascista passa a constituir uma das diretrizes do movimento comunista mundial.” ( p 23,24) “Na França de 1936, a possibilidade de uma revolução parecia real e imediata; as

greves e ocupações de fábricas espalhavam-se por todo o país com incrível velocidade. O governo de Stalin, contudo, não estava interessado nesta revolução; a União Soviética não pretendia ver a França lançada numa guerra civil e desgastada militarmente, despreparada para resistir a uma eventual invasão alemã. Para os dirigentes soviéticos de então, mais valia uma França burguesa e bem armada para fazer frente aos exércitos nazistas, na eventualidade de eclosão de uma nova guerra, do que uma França desorganizada econômica e militarmente, que seria presa fácil para as forças hitleristas.[...]” ( p 24) “ A intervenção da Internacional Comunista no panorama espanhol não foi menos

falha do que na França. Preconizando igualmente a frente comum com os partidos republicanos burgueses e pequeno-burgueses e com todas as demais forças de esquerda, o Partido Comunista vai contribuir para a vitória da Frente Popular em 1936. A situação política da República Espanhola, dominada por uma intensa crise desde o início da década de 30, produzia, no entanto, uma evidente radicalização de posições políticas; a vitória da

Frente Popular foi o sinal de partida para a deflagração de uma guerra civil que contrapôs as forças de direita, comandadas pelo General Franco e auxiliadas pelos regimes fascistas da Alemanha e Itália, às forças republicanas agrupadas na Frente Popular. ” ( p 24) “Baseada nestes fatos, a proposta de Stalin era, em caso de vitória dos republicanos,

entregar o poder aos partidos burgueses e pequeno-burgueses, tendo em vista a implantação de uma república democrático-burguesa. Esta linha de ação, na prática, levou à repressão dos elementos mais revolucionários da Frente Popular (trotskistas, anarquistas, socialistas revolucionários etc.) pelos elementos partidários da república burguesa e teve papel preponderante na derrota dos frentistas. O próprio PCE, à medida que aparecem os indícios da vitória da direita, percebe o erro de haver deixado a condução das forças populares na mão da burguesia democrática e tenta retomar a direção dos exércitos republicanos. Mas aí já era tarde demais.” ( p 25) “Em agosto de 1939, a União Soviética surpreende a todos os comunistas do mundo,

assinando um pacto de não-agressão com a Alemanha de Hitler. O pacto, em verdade, não passava de uma paz armada, de uma trégua que permitisse aos dois Estados melhor se prepararem para o inevitável combate. No entanto, os partidos comunistas de todos os países assistiram, em função da assinatura deste Pacto, a uma drástica redução de seus efetivos. A decepção era geral. Pouco mais tarde, em 1941, a Alemanha invade o território soviético, vindo então a União Soviética a formar ao lado das demais nações aliadas contra o nazi-fascismo.” ( p 25) “O panorama do movimento comunista internacional logo após a dissolução do

Comintern é bastante interessante. Livres da pesada estrutura burocrática da Internacional Comunista, os partidos comunistas ganham uma agilidade muito maior e passam, em geral, a desempenhar importante papel nos movimentos de resistência ao nazismo. Na França, na Itália, na Iugoslávia, na Grécia e em vários países da Europa Oriental, a atuação dos comunistas vai-se mostrar essencial no desmantelamento da dominação nazifascista. Como decorrência deste fato, o número de militantes e simpatizantes comunistas aumenta de maneira notável em quase todos os países.” ( p 26) “O final da guerra mundial trouxe consigo, também, o aparecimento dos primeiros regimes socialistas “hereges”, isto é, dos primeiros regimes comunistas dissidentes em

relação ao stalinismo. Estes regimes foram frutos não só da dissolução da Internacional Comunista, mas também da conjuntura de conflito mundial. Os exemplos neste caso são a Iugoslávia e a China, constituindo ambos exceções ao quadro geral da divisão em zonas de influência, elaborado pelas três potências.” ( p 27) “Tendo conquistado o poder pelo seu próprio mérito, os comunistas iugoslavos

partem para a tentativa de construir uma sociedade socialista a partir da realidade de seu próprio país. Como se pode imaginar, sua posição comunista independente despertou, posteriormente, a ira do regime stalinista, e as relações entre as duas nações se deterioraram de maneira extrema. A base teórica do socialismo iugoslavo é o conceito de autogestão, segundo o qual todos os cidadãos deveriam participar diretamente da administração dos organismos aos quais se encontram ligados, tais como fábricas, escola dos filhos, comitês de bairro etc...” ( p 27) “O caso da China é bastante mais complexo. Isto ocorre inicialmente porque a

ingerência da URSS nos assuntos internos do PC chinês remonta à revolução de 1928, onde o apoio russo (via Comintern) ao Kuomintang — o governo burguês revolucionário — acabou levando ao massacre das forças comunistas. Além disto, a situação interna chinesa não foi influenciada pela Guerra Mundial na mesma proporção que a iugoslava. Em 1935, os comunistas chineses passam a adotar a tática da Frente Popular pregada pelo Comintern, mas não aceitam uma posição subordinada no seio desta aliança, pois não duvidavam que o governo de Tchiang Kai-Chek fosse capaz de repetir um massacre nos moldes do de 1928. Por este motivo, mesmo aceitando a aliança para dar combate ao inimigo externo — o Japão —, o líder comunista Mao Tsé-Tung vai concentrar-se na tarefa de fortalecer o seu exército popular.” ( p 27,28)

“ Apesar das diferentes concepções teóricas de Mao e Stalin, as relações entre os dois

países se apresentam bastante boas durante os primeiros anos da década de 50, muito contribuindo para isto o clima da Guerra Fria que dividira o mundo em dois blocos antagônicos. Quando da Guerra da Coréia em 1953, a colaboração entre os dois gigantes socialistas se estreitou e foi responsável pela instalação de um regime comunista na Coréia do Norte.” ( p 28) “ Após a morte de Stalin e a subida de Kruschev ao poder na URSS, as relações entre

este país e a China começaram a sofrer sérios abalos. A especificidade do caminho chinês em direção ao comunismo, afirmado e reafirmado na produção teórica de Mao Tsé-Tung, e sua conseqüente rebeldia em relação ao governo soviético vão-se somar a uma diferença radical de opinião acerca da política externa do bloco comunista, levando ao início da crise entre os dois países. A questão central da ruptura entre a China e a União Soviética estava centrada na discordância chinesa em relação à política de coexistência pacífica com os países capitalistas pregada pelos soviéticos. Em 1960 consuma-se a divisão no bloco comunista. A partir de então, a China conheceu um processo de radicalização de esquerda que culminou na Revolução Cultural, a partir de 1966, processo no qual se pretendia cortar pela raiz qualquer processo de burocratização do aparelho de Estado. Após a morte de Mao, no entanto, o processo interno chinês parece estar caminhando rapidamente para a direita; o primeiro sintoma desta mudança tornou-se visível na política externa chinesa, que passou a adotar, sistematicamente, posição contra as forças comunistas nas guerras de liberação de algumas nações africanas.” ( p 28,29) “Nas últimas décadas várias outras nações chegaram ao socialismo por diferentes

caminhos. Dentre elas poderíamos citar o Vietnã, que sustentou uma longa guerra contra os invasores estrangeiros (inicialmente a França e a seguir os Estados Unidos), sob o comando de Ho Chi Min e que chegou à independência e ao socialismo em 1976. O caso cubano, com a vitória da luta de guerrilhas sobre as forças do ditador Baptista e a instalação de um regime comunista sob o comando de Fidel Castro, é outro exemplo dos mais conhecidos.” ( 29) “ As idéias anarquistas predominaram de maneira clara no meio proletário brasileiro,

principalmente entre 1910 e 1920, determinando as formas de organização e de comportamento político da ainda incipiente classe operária nacional. Assim, o Capitalismo, a Religião e o Estado eram identificados como seus maiores inimigos, e suas formas de organização não admitiam a necessidade do partido político do operariado. As lutas do proletariado deveriam, segundo eles, ser resolvidas pela ação direta, pelas batalhas sindicalistas e pelas greves revolucionárias. ” ( p 30) “ A vitória dos comunistas marxistas-leninistas na Revolução Russa de outubro de

1917 vai, evidentemente, refletir no movimento operário brasileiro, nele introduzindo gradativamente alterações fundamentais.[...]” ( p 30) “Nesta fase de passagem do anarquismo ao comunismo, o que se pode notar é que os

acontecimentos da Rússia geram uma certa confusão no meio dos militantes anarquistas brasileiros. Mesmo sendo contra os partidos políticos e contra a ditadura do proletariado como instrumentos indispensáveis para se alcançar o comunismo, estes militantes viam-se na impossibilidade de negar que fora graças a um partido rigidamente organizado e disciplinado que a classe operária lograra destruir a sociedade burguesa russa, e que apenas um Estado forte, uma ditadura do proletariado, permitia resistir às investidas contra-revolucionárias internas e externas.” ( p 30) “Colocados frente a este dilema, muitos militantes anarquistas, dado o sucesso do

marxismo-leninismo na Revolução Russa, passaram a achar que o anarquismo era incapaz, seja do ponto de vista teórico, seja do organizacional, de oferecer uma alternativa concreta à sociedade burguesa de então. Com isto abriu-se a brecha por onde iria penetrar, no movimento operário de nosso país, a doutrina comunista na forma concebida por Marx e Lenin, e que levaria ao aparecimento do Partido Comunista no Brasil.” ( p 31) “O Partido Comunista do Brasil (PCB), seção brasileira da Internacional Comunista,

foi fundado em fins de março de 1922 por um grupo composto basicamente por antigos militantes anarquistas, sob a liderança de Astrojildo Pereira. A criação do Partido foi resultado do trabalho de divulgação das 21 cláusulas de adesão à Internacional Comunista, que vinha sendo conduzido por Astrojildo desde o ano anterior e que levara à criação de grupos comunistas em algumas capitais estaduais. Como todos os demais partidos comunistas que surgem na esteira da Internacional Comunista, também o partido brasileiro aceita como um de seus mais básicos fundamentos a defesa intransigente da Revolução Soviética. Assim, ele aceita sua subordinação integral às diretrizes traçadas pelo Comintern e passa a aplicar disciplinadamente as resoluções deste organismo.” ( p 31) “[...]Não podemos esquecer-nos de que o aparecimento do Partido

Comunista se dá alguns meses antes da eclosão do primeiro movimento revoltoso do ciclo “tenentista”. A repressão que se abate sobre o país a partir da posse de Artur Bernardes na presidência (e que na realidade era uma resposta da classe dirigente tradicional aos grupos que a ela se opunham em nome de uma crescente insatisfação das camadas médias urbanas) não perdoa o movimento operário tanto de coloração anarquista quanto de cunho comunista.” ( p 32) “Colocado na ilegalidade pela instauração do estado de sítio que se seguiu no episódio dos “18 do Forte de Copacabana”, em julho de 1922, o Partido continua o seu

trabalho de estruturação e de combate à - influência anarquista no movimento operário do país. Os debates eram árduos e por vezes violentos, contribuindo estas divergências, em conjunto com o clima de repressão generalizada, para uma fase de descenso da mobilização política e sindical da classe trabalhadora. ” ( p 32) “É a partir de seu segundo congresso (1925) que o Partido Comunista vai-se lançar à

tarefa de interpretar a realidade do país à luz dos ensinamentos de Marx, Lenin e da Internacional Comunista. Neste Congresso chega-se à conclusão de que a contradição fundamental em nossa sociedade era a luta entre o capitalismo agrário semifeudal (representado pelo capital inglês) e o capitalismo industrial moderno (representado pelo capital americano). Tomando esta assertiva como base, os comunistas vão desenvolver uma linha teórica que aparece expressa na obra Agrarismo e Industrialização, de Otávio Brandão, o teórico do Partido. Brandão dizia que no conflito entre o capital inglês e o americano, erigido como contradição fundamental, melhor seria que a classe trabalhadora impulsionasse a ala defensora do capitalismo moderno, para desta maneira ajudar a transpor a fase da revolução burguesa, estágio necessário para a passagem ao socialismo. ” ( p 32) “Obedecendo a esta política, os comunistas lançam-se pela primeira vez à disputa de

um pleito eleitoral. Agindo sob a cobertura da Coligação Operária, lançam a candidatura de um líder operário para o Legislativo da cidade de Santos. Como era de se esperar este candidato não foi eleito, tendo conquistado 34 votos, aproximadamente 1% do total do eleitorado.” ( p 32,33) “[...]Paralelamente os comunistas esboçam as primeiras tentativas de

criação de uma Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT). Em fevereiro de 1927 o PCB aproveita a campanha para as eleições municipais do Rio de Janeiro para promover intensa agitação e propaganda, visando não só a eleição dos candidatos por ele apoiados, mas também o fortalecimento e crescimento do Partido. Deste ponto de vista as eleições parecem ter sido bastante positivas, tendo, inclusive, sido eleito um dos candidatos apoiado pelos comunistas.” ( p 33) “[...]O segundo período de vida legal deste partido não será, no entanto, muito mais

longo do que o anterior. Pressionado pelo governo inglês, com quem negociava um empréstimo de vulto, o governo de Washington Luís (para quem a questão social era uma questão de polícia) faz aprovar uma lei criminal, conhecida como Lei Celerada, que objetivava reprimir o movimento operário. Pressionando a opinião pública pela veiculação

de notícias sobre supostos planos de revoluções comunistas no país, durante toda a fase em que o projeto de lei encontrava-se em estudos, o governo não tem qualquer dificuldade em fazê-lo aprovar, impondo a volta do PCB à ilegalidade, em agosto de 1927. ” ( p 33) “Retornando à política de atuar sob a cobertura de um Bloco, o PCB funda o Bloco

Operário e Camponês, pretendendo com isto atingir também a grande massa de trabalhadores rurais superexplorados. Ainda dentro de uma perspectiva de Frente Ampla, o Comitê Central decide enviar um representante à Bolívia para entrar em contato com Luís Carlos Prestes, líder tenentista e comandante da famosa Coluna Prestes, uma das figuras mais populares do Brasil de então. Astrojildo Pereira, ao encontrar Prestes em seu exílio, forneceu-lhe vasta bibliografia marxista, dando com isto o primeiro passo para a conversão ao comunismo daquele que seria, nas décadas posteriores, o homem mais importante do PCB.” ( p 33) “[...] A direção desta organização concita os partidos comunistas da América

Latina a romperem com a política de frente ampla, classificada agora como direitismo, e a se lançarem imediatamente em uma linha de atuação que levasse à hegemonia do movimento revolucionário da classe operária. A ordem era para que se procedesse à sovietização imediata do país, isto é, que se desse ênfase à constituição imediata de sovietes de soldados, camponeses e operários.” ( p 34) “Na esteira desta nova diretriz de esquerda, cujo sectarismo salta aos olhos, o

Secretariado Latino-Americano do Comintern, reunido em abril e maio deste mesmo ano, lança uma decidida ofensiva contra a direção do Partido Comunista do Brasil, acusada de desvios pequeno-burgueses e direitistas. Note-se que entre estes erros era incluído o da tentativa de maiores contatos com Luís Carlos Prestes, o “Cavaleiro da Esperança”. Este sectarismo de esquerda levará o PCB a sua fase dita “obreirista”, durante a qual

ocorrerá a desvalorização de todo o elemento do partido que tivesse uma procedência pequeno-burguesa, sem se levar em conta seu passado enquanto militante comunista e seus conhecimentos sobre as idéias de Marx, Engels e Lenin (aliás de extrema utilidade num país onde raras eram as pessoas que possuíam um efetivo conhecimento destas teorias). Em contraposição procedeu-se a uma supervalorização dos elementos efetivamente operários; tratava-se de uma valorização absoluta: qualquer elemento operário, independente de sua capacidade teórica ou militante, era melhor que qualquer elemento pequeno-burguês, pelo simples fato de ser um real membro da classe operária. ” ( p 34) “[...]O secretário-geral e fundador do PCB, Astrojildo Pereira, ele próprio

considerado culpado da trajetória anterior e já tendo feito sua autocrítica, comanda a aplicação, em nosso país, desta nova linha do Comintern; pouco tempo mais tarde ele próprio vai ser uma das vítimas da nova política, perdendo seus cargos nos comitês diretivos.” ( p 34) “Enquanto o Partido Comunista debatia-se nesta reestruturação de seus órgãos de

direção, o país passava a viver a intensa agitação da campanha presidencial de Getúlio Vargas, pela Aliança Liberal, que antecedeu a Revolução de 1930. A medida que se aproximava a deflagração da revolução que levaria Vargas, apoiado pelos tenentes e pela oligarquia dissidente, ao poder, o mais importante líder tenentista ia completando sua trajetória rumo ao marxismo, deixando transparecer sua nova posição ideológica em maio de 1930.” ( p 34,35) “[...]Para Prestes, a verdadeira Revolução Brasileira só poderia ser fruto da luta da

massa oprimida de proletários e camponeses. Sua proposição era a criação de uma Liga de  Ação Revolucionária (LAR), que agregasse todas as forças revolucionárias do país. Evidentemente a reação das classes conservadoras que se encontravam no poder foi imediata e ampla, traduzindo-se por uma avalanche de pronunciamentos contra a doutrina comunista, objetivando neutralizar o pronunciamento de uma das figuras mais populares do país. Também os membros da Aliança Liberal oposicionista, que durante meses haviam tentado ganhar Prestes para sua causa, reagiram imediatamente contra este pronunciamento, pois temiam os efeitos das idéias expostas pelo “Caval eiro da

Esperança” sobre seu esquema militar composto basicamente por tenentistas, excomandados de Luís Carlos Prestes. ” ( p 35) “[...]Empenhado em sua luta contra os “desvios pequeno -burgueses”, o PCB ata ca

resolutamente o manifesto de Prestes. Mesmo reconhecendo-lhe méritos no que dizia respeito à análise da situação interna do país, os comunistas dirigem sua crítica no sentido de mostrar que a revolução à qual Prestes se referia só poderia ser feita sob o comando do partido da classe operária, ou seja, do próprio PCB. A aplicação dogmática pelo PCB da nova linha da Internacional Comunista impede, contanto, que este partido proponha aquilo que Prestes (aparentemente baseado na linha seguida até 1930) esperava que fosse feito: a abertura de uma frente ampla revolucionária, que incluísse a LAR e o PCB.” ( p 35) “[...]Em 1931, aceitando o convite da própria

Internacional Comunista, ele se muda do Uruguai para a União Soviética, de onde envia em 1934 seu pedido oficial de admissão ao Partido Comunista do Brasil. É também durante o ano de 1930 que toma corpo a oposição de esquerda, “trotskista”, ao PCB. Concomitantemente à oposição ao governo de Stalin na URSS e ao

Comintern que se articula a nível internacional, também no Brasil um grupo de comunistas brasileiros (dentre os quais se destacavam Lívio Xavier e Mário Pedrosa) vai passar à crítica dos caminhos que vinham sendo tomados pelo governo comunista russo e pelo seu organismo de atuação internacional. Apoiando Leon Trotsky, um dos dirigentes máximos da Revolução Russa de 1917, agora já afastado de todas as suas funções de direção do movimento comunista russo, este grupo vai fundar a Liga Comunista — Oposição Leninista do PC do Brasil, é de se ressaltar que este grupo não se denominava trotskista, mas sim leninista, pois, segundo eles, Trotsky apenas mantinha-se fiel às idéias de Lenin que Stalin insistia em conspurcar. ” ( p 35,36) “[...]Tal fato não seria esperado se levarmos em conta que o novo

governo revolucionário de Vargas atacava duramente o comunismo por dois flancos. De um lado ele dava os primeiros passos na criação da legislação e estrutura trabalhistas de cunho paternalista, criando o Ministério do Trabalho, passando a exercer um maior controle sobre os sindicatos e lançando as primeiras leis de defesa do trabalhador. Por outro lado, continuava a reprimir de forma sistemática as manifestações independentes da classe operária e os militantes comunistas e anarquistas. ” ( p 36) “[...]Nos primeiros anos desta década, ao mesmo tempo em que nascia o movimento fascista brasileiro — o integralismo —, também o movimento comunista

passou a crescer, apesar da linha obreirista por ele pregada e da constante troca de direção.” ( p 36) “[...]Agora, num contexto de crescimento do nazi-fascismo na Europa, a Frente Ampla passa a

ter uma política mais interessante, do ponto de vista do movimento operário internacional, para a contenção do crescimento das forças de direita. Desta maneira, a Frente Ampla volta a ser, novamente, a política oficial do Comintern, a ser seguida pelos partidos comunistas de todo o mundo. A adoção desta nova diretriz implicou, com toda certeza, choque entre diferentes facções da direção do Comintern. Consta que o grupo derrotado conseguiu impor que em alguns países se tentasse utilizar a estratégia de Frente Ampla para o desencadeamento de um processo revolucionário. Prestes, então em Moscou, acreditava que tal linha de ação deveria ser utilizada no Brasil, pois as possibilidades de sucesso eram, em sua opinião, bastante grandes.” ( p 36,37) “ Aplicada no Brasil, a diretriz da frente antifascista tomou em 1935 o nome de

 Aliança Nacional Libertadora (ANL). O crescimento da ANL foi, sem dúvida, um dos maiores sucessos de um movimento de massas no país; aglutinando toda a oposição democrática do país, impulsionada pelo Partido Comunista, tendo como presidente de honra o carismático Luís Carlos Prestes e exercendo um notável fascínio sobre o proletariado e as camadas médias urbanas, a ANL se transformou em poucos meses num dos mais poderosos agrupamentos políticos do país. Aproveitando-se das violentas declarações de Prestes contra seu governo, Getúlio Vargas vai rapidamente dar combate a tão

poderoso inimigo, colocando-o na ilegalidade. Com isto a ANL vai perder grande parte de seus membros, nela permanecendo, basicamente, os elementos comunistas que vão, em seguida, se lançar à revolta armada, que eclode em novembro de 1935.” ( p 37) “ A revolta comunista de 1935 foi um dos mais graves erros já cometidos pelo PCB e

redundou em completo fracasso. Do ponto de vista militar, a revolta caracterizou-se por precipitação de alguns regimentos revolucionários e pela infiltração da polícia getulista no meio dos revoltosos. Do ponto de vista político a revolta era completamente imatura e não passou, como reconheceu Prestes mais tarde, de uma “quartelada” nos moldes tenentistas,

pois a massa popular não estava devidamente preparada para tal tipo de ação. Não haviam sido poucos os militantes comunistas que, já anteriormente se haviam colocado contra a insurreição armada naquela conjuntura e, por este motivo, expulsos do Partido. Com a derrota do movimento uma violentíssima repressão foi desencadeada contra o Partido Comunista, atingindo, porém, indiscriminadamente, o conjunto das forças democráticas que se haviam agregado à ANL.” ( p 37) “ A repressão iniciada em 1935, contra as forças populares, foi reforçada pelo golpe

do Estado Novo, em 1937. Se, após a tentativa de insurreição comunista, Vargas se sentiu à vontade para atacar decididamente a oposição comunista e uma ala da oposição liberal, com o golpe de 1937 ele pôde estender sua repressão a todos os setores oposicionistas. ” ( p 37) “[...]De 1935 até 1942 o

Partido praticamente desaparece. Elementos comunistas continuam a atuar a nível local, mas a estrutura centralizada e disciplinada do PCB desaparece.” ( p 38) “ A partir de 1942, vai ressurgir lentamente o trabalho comunista. Aproveitando o

aparecimento de um incipiente movimento de opinião pública favorável à entrada do Brasil na guerra, ao lado dos Aliados, os comunistas passam a trabalhar visando o reforço desta tendência de caráter nitidamente democrático e antifascista. É nesta época que têm início as primeiras tentativas de rearticulação dos diversos grupos comunistas regionais e de reconstrução da estrutura nacional do Partido Comunista. Três grupos sobressaíam-se: o grupo “baiano” radicado em São Paulo, o gru po carioca da Comissão Nacional de Organização Provisória (CNOP) e um grupo paulista.” ( p 38) “No processo de reagrupamento partidário os grupos carioca e baiano conseguem

superar suas discordâncias dada sua convergência de opiniões em um ponto básico: a liderança do Partido deveria ser entregue a Luís Carlos Prestes. Já o grupo paulista acreditava que tanto a eleição do secretário-geral quanto a escolha dos membros do Comitê Central do PCB deveriam ser o resultado de um processo democrático, só concretizável com a realização de um Congresso do PCB, o mais cedo possível. O aval de Prestes é dado, obviamente, aos grupos que pretendiam dar-lhe a liderança e em agosto de 1943, com Prestes ainda na prisão, é convocada a Conferência da Mantiqueira, na qual é eleito o novo Comitê Central.[...]” ( p 38) “ A manifestação política da linha do PCB traduziu-se no movimento de massas conhecido como “queremismo” (proveniente do slogan “Queremos Getúlio”) e na campanha “Constituinte com Getúlio”.  Ambos os movimentos contavam também com o

apoio da estrutura trabalhista montada por Vargas (e que logo em seguida iria agrupar-se no Partido Trabalhista Brasileiro — PTB) e pretendiam que a passagem a um regime democrático fosse feita sob a condução de Vargas.” ( p 38,39) “[...]O PCB, interessado acima de tudo na

instalação de um regime democrático que lhe garantisse o direito de existência, continuou a mostrar-se disposto a apoiar o novo governo, transmitindo às massas operárias as palavras de ordem de “apertar os cintos” e de “ordem e tranqüilidade”.” ( p 39) “Para as eleições de dezembro de 1945, os comunistas optam pelo lançamento de um

candidato próprio, Iedo Fiúza. A votação dada a Fiúza e aos demais comunistas candidatos à Constituinte confirma a fantástica expansão que seu Partido conhecera após

sua volta à legalidade. No cômputo geral, o PCB aparece como o terceiro partido brasileiro, conseguindo uma média de 10% dos votos.” ( p 39) “[...]Em dezembro de 1945 tem início um surto

grevista que tomará conta do país até março do ano seguinte. A massa operária suplanta aquela que deveria ser sua vanguarda; preocupado em mostrar-se um partido da ordem, tenta inicialmente opor-se a greves evidentemente legítimas, pedindo à classe operária que agisse com calma para permitir a consolidação do regime democrático. ” ( p 39) “Impossibilitado de conter o movimento, o PCB vai, a partir de janeiro, reconhecer o

caráter legítimo das greves, recusando-se, contudo, sempre a assumir a responsabilidade e a conduzir os movimentos. Nesta ambigüidade o Partido perde terreno tanto no seio da classe operária quanto no terreno do sistema político.” ( p 39) “Nesta conjuntura, todos os esforços dos comunistas parecem dirigidos para a

concretização de uma central nacional de trabalhadores, a CGTB, que lhes asseguraria a posse de um precioso instrumento de pressão. No entanto, circunstâncias externas e internas contribuem para minar, cada vez mais, a posição do PCB nesta sua curta fase de legalidade. Sua posição enquanto partido “da ordem” o obriga a freqüentes recuos em suas posições na Assembléia Constituinte e, por outro lado, levam-no a assumir posições frente ao movimento de massas que resultam em notável quebra de prestígio. Como o próprio Prestes iria admitir alguns anos mais tarde, o crescimento quantitativo do partido implicara sérias perdas de ordem qualitativa que iriam ter funestas conseqüências. ” ( p 40) “Colocado mais uma vez na

ilegalidade, o Partido Comunista do Brasil passa a adotar uma linha fortemente antiimperialista e antirevisionista. Até o início da década de 50 coloca-se também numa posição de não-cooperação com as demais forças políticas. Uma sensível diminuição no número de seus militantes vai obrigar o partido a rever esta sua posição de esquerda e a admitir a possibilidade de trabalho com outros grupos, notadamente com os trabalhistas.” ( p 40) “[...] Além da campanha pela nacionalização do petróleo (criação da

Petrobrás), onde a ação comunista foi decisiva, também os problemas de ferro, manganês e outras riquezas minerais, além da denúncia do Acordo Militar com os EUA, receberam atenção do PCB. A questão da autonomia nacional passou a ser um dos pontos mais importantes da linha de trabalho dos comunistas brasileiros.” ( p 40,41) “[...]Em início de

1954 os comunistas clamavam pela derrubada de Vargas e pela constituição de uma Frente de Libertação Nacional, mas com o suicídio do presidente Vargas e a subseqüente intensíssima comoção da massa trabalhadora, o PCB vê-se obrigado a recuar e a rever suas posições.” ( p 41) “[...] Abstendo-se de criticar

o ex-presidente, o PCB vai reforçar sua linha nacionalista, transformando agora sua política antiimperialista em geral em ataque direcionado contra os EUA, sobretudo na questão das riquezas minerais. A reforma agrária e a instalação de um governo democrático de libertação nacional constituíram igualmente teses aprovadas neste Congresso. ” ( p 41) “Estas primeiras convulsões internas do PC brasileiro vão aparecer claramente

quando da destituição de vários membros pró-Stalin dos cargos de direção do partido e no surgimento de uma dissidência comandada por Agildo Barata e Osvaldo Peralva que se intitulará Corrente Renovadora do Movimento Marxista Brasileiro.” ( p 41,42) “[...]O V Congresso, em 1960, vai estabilizara situação interna da

organização, mantendo no poder os partidários desta nova linha, liderados por Prestes. ” ( p 42) “No ano seguinte, em sua Conferência Nacional, os comunistas brasileiros vão alterar

o nome de sua organização de Partido Comunista do Brasil para Partido Comunista Brasileiro, sendo mantida a sigla PCB. Logo a seguir, em 1962, dá-se o rompimento definitivo da direção do partido com os elementos pró-Stalin que rejeitavam a política soviética de coexistência pacífica e se aproximavam da linha chinesa e das idéias de Mao Tsé-Tung. A nível interno as críticas destes militantes visavam principalmente a falta de ativismo do PCB nas áreas de educação das massas, imprensa e movimentos de juventude. ” ( p 42) “É também no início da década de 60 que surge o grupo independente Política

Operária (POLOP), formado por dissidentes radicais do PSB, do PTB e do PCB. No seio do movimento estudantil ganhava notável impulso a corrente marxista originária dos movimentos católicos de juventude, a Ação Popular (AP).” ( p 42) “O próprio PCB vai conhecer novas divergências internas, passando a dividir-se em

duas tendências: uma de direita que acreditava ser possível um trabalho comum com a burguesia nacional representada por Jango e uma de esquerda que pretendia enfatizar o movimento antiimperialista, desconsiderando as diferenças entre a burguesia nacional e a burguesia brasileira pró-imperialista.” ( p 42,43) “ Apesar de suas divergências internas, o movimento comunista como um todo

mostra-se especialmente ativo até 1964. Nestes anos dá-se um nítido crescimento dos movimentos de massa, bem como acelera-se a estruturação de órgãos de trabalhadores. Os operários criam em 1963 o Comando Geral dos Trabalhadores (CGT), os trabalhadores agrícolas movimentam-se na defesa de seus interesses e os estudantes promovem vastas mobilizações políticas por intermédio da União Nacional dos Estudantes (UNE)[...]. ” ( p 43) “Com o advento do regime militar e o advento de um anticomunismo generalizado

por parte das autoridades, o movimento comunista passa a sofrer pesada repressão. Nestas condições, o movimento responde à repressão com uma constante radicalização de suas posições. Em 1967 a ala esquerda do Comitê Central do PCB, da qual faziam parte Mário Alves, Carlos Marighela e Jacob Gorender, é expulsa do partido e leva em sua saída grande parte dos militantes. O caminho escolhido por esta ala esquerda foi a luta armada, preconizada pela Organização Latino-Americana de Solidariedade (OLAS), criada em Cuba em 1966.[...]” ( p 43,44) “ A dimensão da repressão governamental somada à evidência da inviabilidade da aplicação prática da teoria do “foco” guerrilheiro como desencadeador de um processo

revolucionário de massa, em nosso país, acabam por determinar a retração destes grupos. Em algumas destas organizações (APML e MR-8, por exemplo) o recuo desencadeou processos de autocrítica que as levou a admitir o erro da tática anteriormente aplicada e a optar pela tarefa paciente de construção de um partido revolucionário fundado na grande massa de trabalhadores brasileiros. Ao que se sabe, estas duas organizações, o PCB e o PC do B constituem as maiores agremiações comunistas a atuarem hoje, na ilegalidade, em nosso país.” ( p 44)

View more...

Comments

Copyright © 2017 KUPDF Inc.
SUPPORT KUPDF